Bancos centrais devem se unir para criar moedas digitais, diz comunicado do BIS, FMI e Banco Mundial

Bancos centrais vão se unir para criar moedas digitais, diz declaração do BIS, FMI e Banco Mundial | Livecoins

As intenções de criar uma infraestrutura para moedas digitais de bancos centrais em todo o mundo ficaram mais claras nesta sexta-feira (9), em uma declaração conjunta do FMI, do BIS e do Banco Mundial.

Segundo a Reuters, cerca de 90% de todos os bancos centrais estão em busca de criar suas próprias versões de um CBDC. O Brasil, por exemplo, já até liberou as diretrizes do Real Digital, que deve chegar em 2022.

O relatório produzido pelo esforço conjunto das principais instituições financeiras internacionais chamou a atenção para uma cooperação mundial de bancos centrais em torno do tema.

Os bancos centrais devem se unir para ter sucesso no lançamento de suas moedas digitais

O chamado CBDC é a moeda digital que está em planejado pelos bancos centrais no mundo todo. Com a intenção de criar um padrão mundial para esse sistema, visando a interoperabilidade, o sucesso desses lançamentos está dependendo de apenas uma grande questão: consenso.

De acordo com um relatório de 37 páginas publicado pelo BIS nesta sexta-feira (09), o potencial das moedas digitais pelo mundo é enorme. Além disso, a eficiência dos pagamentos internacionais pode ser expandida, mas os países devem trabalhar em conjunto.

” As moedas digitais dos bancos centrais (CBDCs) têm o potencial de aumentar a eficiência dos pagamentos internacionais, desde que os países trabalhem em conjunto. Esta é a principal conclusão de um relatório conjunto divulgado hoje pela Comissão de Pagamentos e Infra-estruturas de Mercado (CPMI), o BPI Innovation Hub, o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial. “

Vale o destaque que o trabalho para a criação de um projeto mundial de moeda digital até começou. De acordo com Benoît Coeuré, chefe do Centro de Inovação do BPI, protótipos de CBDCs já estão sendo desenvolvidos com as autoridades monetárias interessadas no assunto, este que é tratado como prioridade máxima.

” No futuro, os arranjos nacionais poderão se tornar interoperáveis através de múltiplos arranjos CBDC (mCBDC) entre os bancos centrais. Isso mitigaria riscos e fricções transfronteiriços e cruzados, ao mesmo tempo em que valorizaria o papel da moeda do banco central como âncora para o sistema de pagamentos.

O BIS Innovation Hub está colaborando com vários bancos centrais para estabelecer protótipos e provas de conceitos para explorar diferentes usos do atacado CBDC em um contexto transfronteiriço. “

Diretor do FMI garante que as moedas digitais dos bancos centrais não são apenas nacionais

Para Tobias Adrian, Conselheiro Financeiro e Diretor do Departamento de Mercado Monetário e de Capitais no FMI, as moedas digitais até podem ser criadas para uso doméstico. No entanto, em algum momento eles devem cruzar fronteiras, ou seja, isso deve ser avaliado pelos bancos centrais.

” As implicações dos CBDCs, mesmo que elas sejam para uso doméstico apenas, irão além das fronteiras. As implicações macrofinanceiras vão, em última análise, depender de vários fatores, como o nível e a natureza da adoção internacional-desde a adoção de nicho para facilitar os embarques em certos corredores até a substituição generalizada da moeda. “

O novo relatório publicado pelo Banco Central de Bancos Centrais deve servir como um guia para a criação dessas moedas, mesmo no Brasil.

Siga os Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados

Portal do Bitcoin Brasil
Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial
Facebook
Telegram
WhatsApp