GAS Consultoria atrasa pagamentos e culpa congelamento de R$ 38 bilhões

GAS Consultoria atrasa pagamentos e congelamento de culpas em R$ 38 bilhões | Portal Bitcoin

A Consultoria da GAS divulgou nota nesta quinta-feira (16) relatando que foi objeto de uma ordem judicial que congelou R$ 38 bilhões em suas contas. De acordo com a empresa, “valor muito superior ao montante global dos seus compromissos com os seus contratantes”.

A empresa pede que a Justiça debunda um valor que previne atrasos nos seus clientes ” pagamentos, o que, segundo ela, “não surge de sua vontade ou responsabilidade”.

Os atrasos já vêm ocorrendo na plataforma e investidores diversos começaram a cobrar os consultores em busca de respostas-e o dinheiro prometido. Muitos temem nunca mais receber o valor investido.

O GAS foi fundado por Glaidson Acácio dos Santos e sua esposa, Mirelis Yoseline Diaz Zerpa. Glaidson segue na prisão. Mirelis, no entanto, está foragido da Justiça.

Leia também

A Justiça nega novo pedido de liberdade a Glaidson dos Santos e a GAS Consultoria reage

A caça da Polícia Federal a aliados de Glaidson dos Santos, da GAS Consultoria

Globo revela onde era o dinheiro dos investidores da GAS Consulting

Glaidson criou o investimento fantástico sem riscos. É como uma caixa mágica em que você acaba de colocar no dinheiro, nunca perde e ainda ganha 10% fixo a cada mês. Algo impossível de ser executado até mesmo no mercado de criptomoedas e por isso as acusações de que se trata de uma pirâmide financeira.

Lawyer comenta os limites do GAS

Nesta quarta-feira (15), o advogado Artemmio Picanço, especialista em Mercado de Capitais, Blockchain e golpes de combate, em vídeo postado em seu perfil no Instagram (assista ao vídeo mais abaixo) fez uma análise sobre por que a GAS Consulting entraria em uma crise de liquidez e deixaria de pagar seus clientes antes do final do ano, por razões meramente técnicas.

Picanço ressalta que as atividades da GAS violam os termos de uso e conformidade das corretoras, o que gera congelamento das contas. Além disso, a investigação criminal faria com que as contas da empresa no sistema bancário tradicional fossem estancadas também.

Com as contas impedidas de ter movimento, os repasses parariam. Picanço frisa que se trata de uma questão técnica, que a condenação de Glaidson Acácio dos Santos ainda depende do devido processo legal, mas que as dicas são robustas: “Tanto que o STJ negou a liminar ao Habeas Corpus”.

” Os intercâmbios têm termos de uso, que são as regras do jogo e determinam protocolos contra a lavagem de dinheiro. E é justamente nesse ponto que o GAS está sendo investigado e é nesse ponto que foi arquivado no STJ o Habeas Corpus para o Gladson “, afirma Picanço.

O advogado lembra que operações de altos valores na Binance devem passar pelo” Know Your Costumer “e” Know Your Transaction ” procedimentos e que as fortes evidências do crime constituirão uma violação dos princípios de compliance.

Sistema bancário violado

Lawyer aponta que o GAS paga e recebe via sistema bancário tradicional do Brasil, o que complica ainda mais a situação de suas contas. O Judiciário determinará em breve o congelamento desses projetos de lei, alega Picanço, como tem feito em casos semelhantes (bloqueio da conta PIX pelo Supremo Tribunal Federal sob suspeita de ser usado para custear atos antidemocráticos).

O COAF (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) também deve entrar na história: a entidade tem como atribuição legal receber, examinar e identificar as ocorrências de atividades ilícitas previstas na Lei nº 9.613, de 1998 (lavagem de dinheiro) e pode fazer Relatórios de Inteligência Financeira (RIF) que são enviados aos funcionários responsáveis pela investigação como subsídio para iniciando um processo.

” O que se espera é que em um determinado momento o congelamento de ativos ocorra para evitar que esses crimes estejam potencialmente sendo cometidos a partir de continuar. Eu não estou dizendo que houve crime. Isso só será dito depois de um devido processo legal. Mas as dicas são robustas, tanto que houve recurso negado “.

Entenda o caso de Consultoria de Gás

A Polícia Federal (PF) prendeu em 25 de agosto, em Itanhangá, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, o proprietário da GAS Consultoria, Glaidson Acácio dos Santos. Os policiais encontraram em sua casa barras de ouro e cédulas reais, dólares e euros.

O Ministério Público Federal (MPF) e a Receita Federal também participaram da operação, que ganhou o nome de Kryptos. No total, dois mandados de prisão temporária e 15 de busca e apreensão foram cumpridos pela força-tarefa.

Santos já estava na mira da PF há um bom tempo atrás para suspeitas de prática de crime contra a economia popular (pirâmide financeira) e lavagem de dinheiro.

Na quarta-feira (15), o desembargador convocado Jesuíno Rissato, do Superior Tribunal de Justiça, negou o pedido de Habeas Corpus feito por Santos. O adjudicatário alega em sua sentença que há risco de vazamento e posterior prejuízo aos clientes da GAS se o empresário for solto.

MPF autoriza venda dos bitcoins

O Ministério Público Federal (MPF) anunciou nesta quarta-feira (15) que autorizou a venda imediata de R$ 150 milhões em bitcoins apreendidos a partir de Glaidson Acácio dos Santos, líder da GAS Consultoria preso na Operação Kryptos deflected no final de agosto.

Assista abaixo do vídeo do advogado Artemmio Picanço:

Veja este post no Instagram

Um post compartilhado por Artêmio Picanço (@artemiopicanco)

Tudo sobre: Consultoria GAS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados

Portal do Bitcoin Brasil
Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial
Facebook
Telegram
WhatsApp