Paraguai planeja imposto para transações com criptomoedas

Paraguai planeja imposto para transações com criptomoedas

Um documento contendo um projeto de lei voltado para a alimentação de criptomoedas no Paraguai vazou neste fim de semana na internet. O arquivo revela que a nação planeja criar um imposto para todas as transações com criptomoedas no país.

De acordo com o documento, o Paraguai implantaria um sistema tal que o IRS fez no Brasil com a Instrução Normativa 1.888. Ou seja, exigirá todas as transações com criptoativos a serem reportados ao regulador nacional.

Além disso, haveria um imposto sobre essas transações de compra e venda de moedas digitais em bolsas ou plataformas online.

Imposto sobre criptomoedas no Paraguai

A lei proposta visa “regular as transações comerciais” de ativos digitais baseados em blockchain, como consta no documento vazado.

” Os ativos digitais não são moedas de licições legais usadas pelo Estado paraguaio. E, por isso, não contam com o lastro do Banco Central do Paraguai, ” destacam os autores do projeto, os deputados Carlos Rejala e Tito Ibarrola.

Os parlamentares propõem que qualquer transação realizada com criptomoedas, de e para o país, seja tributada com percentual a ser definida.

Ainda sob a proposta, os deputados sugerem que o Banco Central tenha controle sobre as entidades que operam criptomoedas.

Mineração fiscal de criptomoedas

O imposto também seria aplicado a Bitcoin mineiros que têm operação no Paraguai.

Na prática, o projeto pede uma taxa de 5% de IVA (Value Added Tax) a ser aplicada para a importação de equipamentos para mineração, equipamentos de informática ou para o desenvolvimento de trocas de criptomoedas.

Outro ponto é que todos os concessionários de criptomoedas devem ter uma licença para operar emitido por entidades estaduais. Também, cabe a esses órgãos registrar e controlar quem são as pessoas que comercializam criptomoedas no país.

” Qualquer pessoa cuja atividade principal seja a de comerciante deve possuir uma autorização emitida por uma autoridade competente, que lhe permite consultar ou operações através de termo de ofício ou contrato de administração. Pessoas jurídicas devem ter pessoal autorizado para realizar negociações com ativos digitais, ” o projeto explica.

Finalmente, a iniciativa também fala sobre a criação do Fundo de Reserva Flutuante Digital de Títulos Digital. Esse fundo teria como objetivo compensar os usuários em golpes envolvendo criptomoedas ou grandes flutuações de preço.

Leia também: “Brasilers entenderão em breve que precisam ter criptomoedas”, diz CEO da OKEx

Leia também: A proposta da Ethereum prevê exclusão de transações do blockchain e gera polêmica

Leia também: JPMorgan: uso do Bitcoin em El Salvador pode sobrecarregar o blockchain

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados

Portal do Bitcoin Brasil
Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial
Facebook
Telegram
WhatsApp