Startup Finchain e tokenizadora da QR Capital são admitidas em sandbox regulatório da CVM

Startup Finchain e tokenizer da QR Capital são admitidos em sandbox regulatória da CVM

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) liberou o resultado da primeira admissão à sua caixa de areia regulatória. Seis empresas de três grupos diferentes foram selecionadas para a próxima fase. Entre os grupos, dois contam com empresas que atuam no mercado de criptomoedas.

  • Soluções de Captação e Registro Ltda.
  • Beegin Solutions in Crowdfunding Ltda., Interbank Chamber of Payments-CIP e Flow Representações S.A. -Finchain
  • Vórtx Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. e Vórtx QR Tokenizadora Ltda.
  • Com a aprovação, as empresas agora receberão licença para poder exercer seus projetos. De acordo com a CVM, o início das autorizações será feito entre dezembro de 2021 e março de 2022.

    Projetos autorizados

    Finchain é um grupo que oferece soluções tecnológicas em projetos que envolvem desde a tokenização de ativos até a listagem de câmbio e gateways de pagamento. O grupo é também o controlador da FlowBTC de câmbio, entre outras empresas.

    Em seu projeto, a Finchain irá englobar títulos de empresas de pequeno e médio porte. As atividades serão realizadas em parceria com as demais empresas e as emissões ocorrerão conforme as regras da Instrução CVM 588.

    ” O uso da tecnologia de ledger distribuído (DLTO tem crescido em todo o mundo, inclusive no provedor de instituições centrais de infraestrutura para o mercado. Acompanhamos este movimento de perto e vamos trazer para o BEE4 o estado da arte em termos tecnológicos, ” esclarece Marcelo Miranda, fundador da Finchain.

    Por sua vez, o outro grupo é composto por empresas vinculadas à holding QR Capital. Em primeiro lugar está a Vórtx, a distribuidora de títulos de sócios da holding. Já Vórtx QR é um tokenizer de investimento.

    O projeto Vórtx tem como alvo debêntures e cotas de fundo fechado. A dupla de empresas utilizará o rito de licitação conforme as regras da Instrução 476. Com a autorização, o grupo planeja criar a primeira bolsa de valores 100% tokenizada em blockchain.

    ” Desde a fundação da empresa buscamos sempre trazer o Bitcoin e criptoativos para o mercado regulado de uma forma de permitir que o investidor brasileiro acesse essa classe de ativos inovadora. Nesse sentido, a tokenização das debêntures e de outros títulos é um passo importante nesse processo. Além de trazer mais eficiência e custos mais baixos, democratizar o acesso a novas classes de ativos antes restritas ou negociadas em infraestruturas altamente intermediadas “.

    Sobre a caixa de areia

    A sandbox foi criada pela CVM em 2020 com o objetivo de fomentar a inovação no mercado de capitais brasileiro. É um ambiente exclusivo para entidades autorizadas pela CVM e Bacen para testar inovações em áreas diversas.

    Com inscrições abertas desde o início do ano, a sandbox teve uma grande demanda. Foram 33 projetos analisados no total, dos quais saíram os três selecionados. Ou seja, o sandbox tinha uma classificação de aprovação inferior a 10%.

    De acordo com a CVM, os outros 30 projetos foram rejeitados, sendo 26 considerados impróprios e quatro rejeitados pela sandbox Colegification.

    Leia também: Bitcast: Tokenização de ativos no esporte é um tema de podcast crypto

    Leia também: Após aprovação de ‘pedalada’ na economia dos EUA, Bitcoin sobe mais de 10%

    Leia também: Milhares de contas Coinbase hackeadas devido à vulnerabilidade

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Relacionados

    Portal do Bitcoin Brasil
    Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial
    Facebook
    Telegram
    WhatsApp