Vendedor de Bitcoin é condenado por lavar dinheiro do tráfico de drogas na Argentina

Vendedora de bitcoin é condenada por lavar dinheiro do tráfico de drogas na Argentina | Portal Bitcoin

O operador de Bitcoin Emmanuel García, morador da cidade de Zárate, que fica na província de Buenos Aires, Argentina, e conhecido no mercado P2P de criptomoedas, foi condenado a 5 anos de prisão por lavagem de 468.400 em bitcoin para traficantes de drogas argentinos e mexicanos. A sentença foi proferida na última quinta-feira (09) pela Corte Federal de Bahía Blanca.

O caso em que García se envolveu e se incriminou ficou conhecido após a ‘Operação Bobinas Blancas’, deflagrada há cerca de quatro anos pela Polícia Federal Argentina, reportagens do Infobae. No mês passado, ao apreciar a defesa de Garcia, o procurador da República Gabriel González da Silva assinalou que o arguido “reconheceu ser vendedor de criptomoedas, tendo contacto com o líder da organização que operou no México, tendo se reunido com mexicanos em um bar e negociado bitcoin para dólares americanos”.

Na ocasião da operação ‘Bobinas Brancas’, a polícia descobriu quase duas toneladas de cocaína em duas localidades diferentes, com a maioria das drogas escondidas em duas bobinas de ação no Parque Industrial Bahía Blanca. Após essa apreensão, investigações chegaram a García, que lavou o dinheiro do tráfico com o bitcoin.

Lavar dinheiro com bitcoin

A prisão e a condenação de Garcia por crime de lavagem de dinheiro é apenas uma parte do que ele deve cumprir. Isso porque ele também foi condenado a pagar uma multa de 8 vezes o valor das operações. De acordo com o site, além de servir como intermediário na negociação de bitcoins, ele atuou como consultor em criptomoedas e participou de palestras sobre o mercado.

Leia também

Polícia Federal caçando aliados de Glaidson dos Santos, da GAS Consultoria

Receita Federal leiloará ouro barras apreendidas pela polícia

A fantástica fábrica de dinheiro fácil da GAS Consultoria

De acordo com o Infobae, García não gostava de trabalhar com transações bancárias e preferiu que a entrega do dinheiro que seria negociada por criptomoedas fosse feita pessoalmente. Ao apurar a PFA, ele cobrou uma taxa de comissão de 2,5% e fez a transferência no tempo via uma carteira física.

A polícia estimou que Garcia movimentou cerca de 1 milésimos de mês. Outras seis pessoas que atuaram no esquema também foram presas e condenadas a penas que chegam a até 15 anos de reclusão que devem ser cumpridas a partir do dia 4 de novembro, após a leitura final.

Tudo sobre: ArgentinaPolícia Federal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados

Portal do Bitcoin Brasil
Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial
Facebook
Telegram
WhatsApp